domingo, 2 de setembro de 2012

A pauta caiu... E agora?

A gente costuma brincar na redação dizendo que em dias de pautas caindo, até o “Fala Povo” liga pra desmarcar. E é mais ou menos por aí. Tem dia que é complicado encontrar uma sugestão. No caso de TV, as reportagens que você assiste só são possíveis porque por trás delas, existe uma produção. O produtor é aquele profissional que fica praticamente o tempo todo pendurado no telefone em busca de algum assunto interessante que renda uma matéria.
"Alô? Tem sugestão de pauta?"
Eu já passei por essa função e sei como é difícil. Na reunião de pauta, tudo se acerta. O problema é depois, na hora de produzir. Tem dia que nada dá certo. E, geralmente, o perrengue do produtor gira em torno de questões parecidas com essas, veja:

1 – O entrevistado não atende o telefone;

2 – A fonte principal da matéria está viajando e só volta na próxima semana;

3 – A pauta é ótima, só não tem personagem. O jeito é recorrer ao facebook;

4 – O produtor encontrou a pessoa ideal para dar entrevista. Só que depois de quarenta minutos no telefone explicando a pauta para o entrevistado, ele resolve que não vai participar da matéria. Putz!;

5 – A pauta tem tudo para dar certo, se a assessoria de imprensa de tal lugar agilizar a entrevista até o fim do expediente; 

6 – Após passar a tarde inteira aguardando o contato da assessoria, na certeza de que está tudo certo, o assessor liga, já por volta das 18h, comunicando que a entrevista não deu certo;

7 – Estava tudo marcadinho, até parecia um sonho. Mas por volta das 19h, quando a pauta já estava até impressa, o personagem mais importante da matéria liga dizendo que não será mais possível dar entrevista. Ele se esqueceu que no mesmo horário já tinha marcado dentista;

8 – A pauta é no campo, sobre a mecanização agrícola. Já está tudo agendado, só que por uma falta de sorte, amanhece chovendo.

Parece engraçado, mas isso é comum nas redações. Por isso, muitas vezes, o jornalista recorre a Nossa Senhora dos Factuais, que nem sempre atende os pedidos da classe. Aí fica difícil. Se por um lado a pauta não dá certo, por outro, o relógio não para. O deadline pressiona. O produtor fica pilhado.
Pauta, pauta, pauta, pauta!
O jeito é colocar a cabeça pra funcionar e usar a criatividade. Mas chega uma hora que os neurônios parecem não responder aos estímulos. Aí, o produtor pega a agendinha dele e sai ligando para todos os contatos em busca de uma luz. Na lista, estão sempre os presidentes de sindicatos e associações, líderes de bairro, assessores de imprensa, entidades, prefeituras, câmaras municipais, moradores e até colegas de outros veículos. O importante é que depois de tanto trabalho, tudo dá certo e quando se vê já é tarde da noite. Mas por amor, o jornalista não desiste. A pauta caiu? Bora levantar outra!

2 comentários:

Simone Dias disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk me identifiquei muito com a primeira foto.
Você descreveu perfeitamente a rotina de um produtor nesse texto. A parte do dentista é clássica ( e até temos o personagem que sempre marca horário p tratar os dentes - vaiiiiiiiii.
Realmente é uma aventura achar, ressuscitar, reavivar, ou seja lá o que for, uma pauta.
Você só esqueceu de incluir 3 coisas:
***quando o produtor fica sem saída e tenta reanimar a pauta, a qualquer custo, ele liga e negocia com o repórter: "Você acha que dá para fazer assim, sem esse personagem? Pensei no seguinte, você poderia gravar uma passagem assim ...kkkkkkkkkkkkkkkkk
***quando nada, mas nada mesmo dá certo, coloca o repórter para ir no plantão policial
***a mais clássica é colocar uma reclamação no lugar da pauta caída. Sabe aquela reclamação de um terreno baldio, que o reclamante ligou há 3 meses na Redação e não demos a mínima p ele? Sim, ela será a principal matéria do dia. kkkk
Luquinhas, que bom que vc conhece o outro lado e entende bem até msm qdo o fala povo desmarca.
Bjs

LUCAS MATHEUS disse...

Oi Si... Como fui me esquecer desses três? rs. É bem isso mesmo! Plantão policial e reclamação de bairro sempre dão um fôlego à produção. Pauta é algo difícil de encontrar mesmo. Obrigado pelo comentário. Volte sempre! Bjs.